Apesar da crise mundial que estamos vivendo, ainda é hora de manter o equilíbrio e tentarmos cada vez mais aquecermos o mercado nacional. Muitas marcas independentes não terão forças para sobreviver e podem ser que precisem fechar as portas. Justamente por isso, esse é um momento importante para dedicarmos aos criadores do nosso país – seja comprando uma peça ou divulgando seus trabalhos. Sendo assim, selecionamos seis marcas brasileiras independentes para você conhecer e usar a partir de agora.

Anacê

Cecilia Gromann e Ana Clara Watanabe criam uma moda que não se importa com gêneros. A maior pretensão delas é “desconstruir padrões de vestuário criando peças-desejo que reforçam o design brasileiro”. Ambas são parte da nova geração que está fazendo o mercado de moda nacional girar.

Misci

Originalmente designer de móveis, Airon já passou – sem completar – por cursos como Direito e Medicina, mas foi no Design que achou o seu caminho. “Desde o começo a ideia da marca já me acompanhava. A vontade de criar algo que agregasse os diferentes e, ao mesmo tempo, mostrar que os diferentes são, no fundo, o mesmo, fez com que eu desenvolvesse não somente produtos, mas um ideal de vida em sociedade”, conta Martin.

Misci é uma abreviação da palavra miscigenação, que batiza a marca de moda integrada no estúdio multidisciplinar de design de Airon Martin. Desde o início, o propósito estava determinado. “Ser um alívio em meio ao caos urbano”, finaliza.

Led

Célio Dias faz parte de uma geração de talentos que mostra muito mais do que somente roupas. Não apenas por necessidade pessoal, mas para se posicionar diante de um conservadorismo que passou a dominar o país. Em um de seus desfiles, no qual apresentou a coleção “Zangada”, foi um show de diversidade: teve gay, transsexual, drag queen e outras minorias. Todos usavam peças com alguma frase de efeito. Para todos.

Cacete Company

Raphael Ribeiro e Tiago Carvalho criaram a Cacete Company por acreditar que a moda é uma ferramenta poderosa de comunicação. “A Cacete surge como uma maneira contemporânea de fazer e pensar moda”, contam.

Ainda que o nome seja um tanto sugestivo, a ideia era ser algo completamente brasileiro e local: tudo é produzido em Minas Gerais, estado natal da dupla.

D-Aura

Lucas Menezes começou a fazer experimentos na moda em 2016. Tudo foi de caso pensado – uma constante para o paulista criador da D-Aura. Arquiteto por formação, ele traduziu em roupas seu DNA urbano e criativo, influenciado em grande parte por sua formação anterior, em arquitetura e urbanismo. O resultado foi encontro das paixões aparece, refletido nas construções inusitadas e no uso criativo da área em suas modelagens.

Merus

Merus vem do latim “puro; simples”, conceitos que refletem inteiramente na visão de criação. São roupas feitas de forma artesanal, com cores neutras, design minimalista e que vão contra o sistema de fast fashion. “Quero trazer de volta a ideia do ateliê de moda, onde a peça era encomendada e então produzida especialmente para o cliente”, conta Felipe Gachido, diretor criativo da marca.